Porque é tão difícil ser piloto da Nascar?

Porque é tão difícil ser piloto da Nascar?

NASCAR-Logo

ESTÁ NA HORA DOS FILHOS de brasileiros nascidos nos EUA ingressarem na Nascar (National Association of Stock Car Auto Racing).

Digo nascidos aqui porque para ter chance nesse mundo tão competitivo, tem que estar habituado ao país e iniciar-se por volta dos 4 ou 6 anos de idade. Temos a falsa impressão que a Nascar não exige que os pilotos sejam de altíssima qualidade por se tratar de um circuito oval e que o circuito mixto é mais desafiador e que requer mais habilidade do piloto.

Porém, se considerar que o carro mais rápido sempre atinge uma velocidade final maior num mesmo percurso e que este retoma a velocidade mais rapidamente, deduzimos que a menos que você tenha um carro com a mesma potência que seu concorrente, a habilidade do piloto sempre fica secundária à potência do carro no circuito mixto.

O piloto da Formula 1 Sebastian Vettel é um perfeito exemplo disso, pois que ele era quase imbatível desde que inciou sua carreira, tornando-se tetracampeão, e no ano passado foi apenas um piloto regular sem nenhuma vitória nas 19 corridas da temporada, terminando em 5º lugar no campeonato.

Agora, em um circuito oval, pense que quando você está em uma estrada a 70mph e tem que sair à direita onde normalmente breca-se baixando a velocidade para cerca de 35mph controlando-a com o acelerador para fazer aquela longa curva em subida de 270 graus.

Veja que mesmo o mais lento dos carros ainda tem potência superior à velocidade que se consegue fazer na curva. Portanto o controle da rolagem do carro está nas mãos do motorista e não na potência do carro. O piloto de Nascar exerce esse conceito nas duas curvas do oval e em média por 400 voltas.

Óbvio que a suspensão do carro fará muita diferença nessa analogia. Mas é isso que faz a grande diferença da Nascar comparado às corridas de fórmulas. As corridas são longas e para-se nos boxes para trocas de pneus cerca de 9 a 10 vezes por corrida.

Nesse mesmo momento se faz ajustes para melhorar a rolagem do carro nas curvas, ajustes esses solicitados pelo piloto ou baseados nas suas informações. Portanto na Nascar o piloto vem em primeiro lugar. Ele mantém o chefe de equipe informado da situação do carro e pede ajustes durante toda a corrida.

A pista passa por vários ciclos, começa numa temperatura e normalmente termina em outra, emborracha durante alguns períodos e perde borracha em outros, torna-se mais suja ou menos suja, mais abrasiva ou menos abrasiva. Algumas vezes o carro mais rápido e que saiu na pole, torna-se tão ruim que termina entre os últimos, assim como outros começam com um carro mediano e terminam como o carro mais rápido.

Normalmente precisamos assistir a corrida inteira para saber quem será o vencedor e são raras as vezes que um carro domina toda a corrida. Pilotos como Kimi Räikkönen (campeão em 2007, 20 vitórias e 77 pódios na Formula 1) ,Juan Pablo Montoya (campeão de Formula Indy, vencedor das 500 milhas de Indianápolis e 7 vitórias na Formula 1 – incluindo Mônaco e Brasil), Marcos Ambrose (bicampeão mundial de V8 supercars – uma das mais difíceis categorias da FIA), Sam Hornish Jr. (tricampeão de Formula Indy e ganhador das 500 milhas de Indianápolis) e os brasileiros Nelson Piquet Jr. e Miguel Paludo, todos tentaram desbravar o mundo Nascar e infelizmente o êxito não foi o esperado tendo em vista seus históricos como pilotos.

Para os brasileiros que tem acompanhado a Nascar e também a Formula 1 nos últimos dez anos, é notório que ao contrário do que se pensa, é muito difícil ser um bom piloto de Nascar, porém, como disse anteriormente, se estiver adaptado ao sistema americano e começar desde muito cedo nesta modalidade, acredito que existem chances para ingressarem com êxito neste incrível e desafiador mundo chamado Nascar.

Por Luiz Fernando de Souza Especial Sobre Rodas USA

Comentários

comentários

Related Posts