Home Entrevistas  Tatiana Calderon

 Tatiana Calderon

Uma mulher latina na Fórmula 1

58

TATIANA CALDERÓN, é uma jovem colombiana que está revolucionando vários conceitos sobre a mulher no automobilismo. Ela é a primeira latina e mulher a participar como piloto de provas na Fórmula 1. Vejam a entrevista.

SR | Como você começou no mundo das competições de carros?

TC Minha paixão nasceu desde muito jovem. Eu tinha apenas 9 anos quando minha irmã Paula, (agora minha agente), me levou a uma pista de aluguel de kart em Bogotá. Compramos um turno de 5 minutos e me apaixonei pela velocidade. Aí, a tarefa foi difícil para convencer meus pais de que eu queria correr, mas foi amor à primeira vista. Antes, experimentei vários esportes como futebol, tênis e corrida de cavalos mas nada me faz sentir como no automobilismo.

SR | Qual tem sido sua carreira esportiva até chegar a uma equipe de Fórmula 1?

TC Ganhei vários campeonatos de karting na Colômbia e depois nos Estados Unidos, onde conquistei outras vitórias de prestígio. Aos poucos fui participando de competições mais exigentes até chegar em 2016 no GP3. No final daquele ano, Monisha Kalterborn, então gerente da equipe Sauber, disse que me queria como um impulsionador de desenvolvimento. No início usei apenas o simulador, mas eles ficaram muito felizes com os resultados obtidos. Em 2018 fui promovida a piloto de testes e eles me deram a oportunidade de testar no circuito Hermanos Rodríguez, no México, com o carro da equipe. Nesse mesmo ano me deram outro teste na Fórmula1 de 2013 e no ano passado, a oportunidade para fazer alguns quilômetros adicionais no circuito de Paul Ricard sendo também a primeira mulher a competir na Fórmula 2. Este ano estou competindo na Super Fórmula Japonesa, que é o carro mais rápido depois da Fórmula 1. Minha preparação continúa.

SR | Depois de ser a primeira latina a pilotar um Fórmula 1, a primeira mulher a competir como piloto oficial na Super Fórmula Japonesa, você agora disputou as 24 Horas de Le Mans com uma equipe inteiramente feminina. O que todas essas conquistas significam para você?

TC Raramente se tem tempo para pensar no que isso significa, mas é o que este ano nos permitiu, reflexão. A verdade é que estou muito grata pelas oportunidades que tive e espero muito que tudo isto ajude mais mulheres a serem incentivadas a experimentar o esporte motorizado para que continuemos a ganhar esse espaço, mudando essa percepção. Estou convencida de que podemos fazer um bom trabalho, só precisamos das oportunidades.

SR | Quais são as maiores diferenças que você teve que se ajustar para a preparação de Le Mans em comparação à F1?

TCLe Mans é uma corrida muito mais longa e fisicamente mais exigente e em áreas diferentes da Fórmula 1. Por exemplo, o pescoço em Le Mans não sofre tanto porque estamos pilotando um protótipo com teto e estamos expostos a menos ‘forças G’ mas sim devido à duração da corrida que é mais exigente do ponto de vista cardiovascular. Além disso, você tem que ter um maior grau de concentração, porque se dirige por mais tempo, em altas velocidades,

SR | O que significa para você ser um Embaixadora da Equipe Alfa Romeo Racing Orlen?

TCÉ uma honra e um privilégio poder representar uma equipe com tanta história na Fórmula 1. Já é o meu quarto ano como uma equipe dos mais indicados Embaixadores, é uma espécie de voto de confiança e uma prova que realmente acreditam nas minhas possibilidades. Espero que como membro da Comissão para Homens Não-Motorsports da FIA, nos ajude a começar nos karts e subir na pirâmide competitiva e que seja normal ver mulheres na Fórmula 1.

SR | Por que você se tornou uma promotora de esportes entre as mulheres?

TCQuero retribuir a este esporte um pouco do que ele me deu, tornando-o acessível a todas as mulheres. Eu quero que mais e mais garotas comecem nos karts e se desenvolvam como pilotos profissionais assim como eu. Estou convencida de que podemos fazer um bom trabalho. Há 2 anos sou membro da Comissão para Mulheres no Automóvel da FIA e da #DareToBeDifferent, uma organização que visa aumentar a participação das mulheres em todas as áreas do esporte motorizado. Não quero que as mulheres e meninas que vêm depois de mim tenham que trabalhar tanto para ter as mesmas oportunidades. Precisamos mudar a percepção no automobilismo.

SR | Quais são seus próximos objetivos?

TCNesses anos com a Alfa Romeo Racing, tenho alcançado pequenos objetivos. Primeiro como piloto de desenvolvimento, depois como piloto de teste. Já dirigi um carro de Fórmula 1–o que é impressionante e para mim tem sido uma experiência incrível–mas ainda quero mais. Quero me tornar a primeira mulher em mais de quatro décadas a correr permanentemente no Campeonato Mundial de Fórmula 1 e ajudar às mulheres a conseguirem o lugar que merecem neste esporte. Além disso, quero ganhar as 24 Horas de Le Mans e Daytona. Este ano fiz o primeiro teste e estou muito contente com essas corridas, quero voltar e fazer melhor.